Qualé da sua Escola

Natureza compartilhada

Alunos surdos e alunos ouvintes do Capão Redondo participam de projeto que incentiva brincadeiras e experiências em meio ao verde

Por: Katia Calsavara

17/03/2023 15:12 atualizado há 27 segundos

Imagem Natureza compartilhada
Créditos da imagem: Foto: CEU Emef.José Saramago/Divulgação

Brincar ganhou um novo significado para alunos do CEU Capão Redondo - Polo Bilingue José Saramago, zona sul de São Paulo. Tudo começou quando a professora bilíngue Patrícia Mendonça Santos, que ensina tanto estudantes surdos quanto ouvintes, teve a ideia de inscrever os alunos no projeto Caixas da Natureza, do programa Ser Criança É Natural.

O objetivo é que crianças e jovens de todo o Brasil troquem experiências e brincadeiras relacionadas à natureza. Dentro de uma caixa, eles colocam sementes, folhas, gravetos, ideias de brincadeiras e outros elementos da natureza que os cercam e depois trocam o material com pessoas de outras localidades.

Dessa forma, uma criança que mora em São Paulo, por exemplo, poderá conhecer espécies vegetais de outras regiões sem sair do seu bairro ou do próprio quintal. “Quando a professora disse que trocaríamos a nossa caixa com alunos de uma escola de Santa Catarina (EEF Patrício Teixeira Brasil), ficamos ainda mais motivados, porque cuidar do jardim já tinha despertado nossa curiosidade”, conta

Simone, 11 anos, do 6o ano, que é surda e deu esse depoimento à Qualé tendo a professora como intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras). Os alunos Erick, 11, e Maria Eduarda, 11, também surdos e da mesma turma, relatam que agora sabem mais sobre pássaros. “Nós até fizemos um comedouro para aves livres”, diz Erick. “Aprendemos que eles também precisam que a gente cuide da natureza”, completa Maria Eduarda, apontando para uma paineira cheia de maritacas que fica dentro do complexo da escola.

Orgulhosa com a evolução e o interesse dos alunos pelo tema, a professora afirma que participar do projeto Caixas da Natureza com estudantes de outro estado também possibilita que alunos ouvintes possam aprender um pouco de Libras e vice-versa. “Essa troca é muito rica”, conta ela, que é ouvinte, mas desde pequena se interessou pela linguagem de sinais. “Eu tinha um amigo surdo na infância e muitos diziam, ‘como, se ele não fala?’ Eu respondia: ‘mas ele sabe brincar’”.

O aluno Raphael, de 11 anos, dá uma boa ideia para diminuir essas distâncias: “Seria bom que todas as pessoas aprendessem um pouco de Libras pra interagir mais com a gente. Fora da escola ainda é difícil conversar”. 


Você sabia?

Existem cerca de 10 milhões de surdos no Brasil. A surdez pode ser congênita, ou seja, adquirida durante a gestação e causada por doenças como rubéola, meningite, toxoplasmose, entre outras.



Brasileira ganha Copa do Mundo de patins.

A sorocabana Ana Júlia da Silva, a Julika, é a primeira mulher a realizar a manobra 900º

Rebeca Andrade ganha sua versão Barbie.

Em ano olímpico, ginasta brasileira recebe homenagem do projeto Mulheres Inspiradoras

Descoberto buraco azul mais profundo do mundo.

Taam-Ja’, no México, tem mais de 420 metros de profundidade

Cai número de analfabetos no Brasil.

No entanto, segundos dados do IBGE, país ainda registra 11,4 milhões de pessoas que não sabem ler nem escrever

Jabuticaba está entre as melhores frutas do planeta.

Além do sabor, benefícios para a saúde são levados em consideração

Qualé a desse mundo: especial animais!.

Conheça o tatuzão brasileiro, a formiga que parece um vilão e o cachorro panda.

Rio Grande do Sul precisa de ajuda.

Correntes de solidariedade se espalham pelo Brasil; crianças e jovens também se mobilizam

Pesquisa mostra que telas podem prejudicar desenvolvimento das crianças.

A cada minuto adicional de tempo de tela, elas ouvem menos as palavras dos adultos

Entrevista com o palhaço Trambique: rir é o melhor remédio.

Marcelo Burger atuou em circos, festas e ONG em hospitais

Última Edição

Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência em nosso site. Para concordar, clique em "Entendi". Saiba mais...