Brasil

Casos de xenofobia no Sul levantam debate sobre o tema

Entenda o que é o preconceito contra pessoas de outras origens e culturas diferentes

Por: Katia Calsavara

17/03/2023 13:46 atualizado há 1 ano

Imagem Casos de xenofobia no Sul levantam debate sobre o tema
Créditos da imagem: Ilustração iStock

No final do mês passado, três homens que trabalhavam na colheita de uvas na região de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, resolveram denunciar as péssimas condições em que viviam. Com salários baixos e atrasados, eles dormiam em alojamentos sujos (de onde não podiam sair) e recebiam pouca comida.

Logo depois da denúncia, mais de 200 trabalhadores foram resgatados na mesma situação – a maioria baianos. O caso ganhou os jornais do Brasil inteiro, por se assemelhar à escravidão. Para piorar, um vereador de Caxias do Sul afirmou que os empresários não deviam contratar mais “aquela gente lá de cima”, em referência aos profissionais do Nordeste, e cometeu um ato de preconceito contra pessoas de outras origens e culturas diferentes.


Você sabia que esse tipo de atitude tem nome?

Chama-se xenofobia. Talvez você ainda não tenha ouvido essa palavra, mas é algo que acontece desde a Antiguidade e se intensificou conforme povos diferentes foram se conectando através dos tempos.

O termo vem das palavras gregas xénos, que quer dizer “estranho, estrangeiro”, e phóbos, que significa “muito medo ou aversão”. Ou seja, é o ato de menosprezar alguém ou um povo por ele ter hábitos e uma cultura diferente da sua.

O cientista político Fernando Abrucio, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), explica que esse tipo de discurso do vereador está ligado à multiplicação da desigualdade em nosso país. “Isso ocorre também em outros cenários brasileiros, como o da relação entre patrões e empregadas domésticas, entre turistas e vendedores de picolé na praia, todos interligados por distinções de renda, região, escolaridade, cor e outras”, afirma.

Mas o problema está longe de ser comum só no Brasil. Mundo afora, povos refugiados* também costumam sofrer com a xenofobia. A empresária Roberta Bufarat, brasileira, é casada e tem três filhos com um libanês que chegou por aqui há dez anos – o povo árabe é comumente associado a atos terroristas por conta dos conflitos internos no Oriente Médio. “Meu marido tem traços bastante definidos e, quando está com outros amigos árabes, ouvimos comentários do tipo: ‘dessa roda pode sair uma bomba a qualquer momento’. A xenofobia é lamentável”, completa.

*Pessoas que sofrem com perigos e violação de direitos humanos em seus países (devido a guerras, conflitos religiosos etc.) e buscam melhores condições de vida em outros lugares. 

No Brasil, atualmente, vivem mais de 65 mil refugiados. As nacionalidades mais presentes por aqui são venezuelanos, sírios, senegaleses e angolanos. Na edição 34 da Qualé, contamos mais sobre eles.

Morre Ziraldo aos 91 anos no Rio de Janeiro.

Cartunista, pai do Menino Maluquinho, teve seu primeiro desenho publicado aos 6 anos

Gentileza gera gentileza.

Com pequenas ações, é possível transformar o seu dia e o das pessoas ao seu redor, promovendo onda de bem-estar

Por que as flores soltam cheiro?.

O motivo é o mesmo de serem coloridas: atrair determinados animais

Eclipse solar total agita México, Estados Unidos e Canadá.

Dia virou noite e temperatura caiu nesses países; no Brasil, fenômeno está previsto para 2045

Ao Espaço e além: estamos sozinhos no Universo?.

Com as missões espaciais, cientistas estão cada vez mais perto de saber se existe vida fora da Terra; confira principais fatos

Quer dicas de livros? Conheça quem é louco por histórias.

No mês em que se comemora o Dia Mundial do Livro, conheça as leituras preferidas das crianças

Flórida proíbe redes sociais a menores de 14 anos.

Lei pode entrar em vigor no ano que vem e prevê instalação de sistema de fiscalização

Brasil empata com Espanha em amistoso contra o racismo.

O 3 a 3 no Santiago Bernabéu e a vitória contra a Inglaterra por 1 a 0 destacam estreia do técnico Dorival Júnior

Cidade dos dinossauros é reconhecida pela Unesco.

Geoparque de Uberaba, em Minas Gerais, é o sexto a ganhar o título no país

Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência em nosso site. Para concordar, clique em "Entendi". Saiba mais...