Brasil

Cataratas do Iguaçu têm segundo recorde de vazão em 25 anos

Volume de água ficou 11 vezes acima da média histórica. Passarelas foram interditadas por segurança

Por: Marcela Ibelli

14/03/2023 21:19 atualizado há 46 segundos

Imagem Cataratas do Iguaçu têm segundo recorde de vazão em 25 anos
Créditos da imagem: Wirestock.

Uma das sete maravilhas da natureza, as Cataratas do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, no Paraná, registraram, no último dia 13, o seu segundo maior volume de água desde 1997. Foram 16,5 milhões de litros por segundo ou 11 vezes acima da média, que é de 1,5 milhão de litros. Os dados são da Companhia Paranaense de Energia (Copel).

A quantidade é enorme, mas não chegou nem perto do recorde de 2014, que foi de 47 milhões. Mesmo assim, um turista do Canadá estava em uma passarela do lado argentino e, ao tentar tirar uma selfie, caiu e morreu. Por segurança, as passarelas do lado brasileiro do Parque Nacional do Iguaçu também chegaram a ser interditadas.

O parque – que já recebeu 1 milhão de visitantes em 2022 – possui 275 quedas d´água, o maior conjunto do planeta. Cerca de 80% das cachoeiras estão no lado argentino e os 20% restantes ficam no lado brasileiro.

O aumento da vazão foi resultado das chuvas que caem no Paraná desde o início do mês. Cerca de 35 municípios foram atingidos, entre eles Francisco Beltrão, Dois Vizinhos, Vitorino, São Miguel do Iguaçu, Santa Izabel do Oeste e Pato Branco. De acordo com o governo do Paraná, até o momento, cinco pessoas morreram e mais de 170 perderam suas casas.


VOLUME DE ÁGUA REGISTRADO NAS CATARATAS

1978 - 114 mil litros de água por segundo

2014 - 47 milhões de litros por segundo

2022 - 16,5 milhões de litros por segundo


Fonte: Copel (Companhia Paranaense de Energia).



CACHOEIRA, CASCATA E CATARATA

A altura da queda, o volume e a forma como a água cai definem as diferenças entre as três. Cascata é menor. Nela, a água passa por obstáculos, como rochas, degraus e declives, até cair. Na cachoeira o volume de vazão é mediano e a queda não tem interrupção. Já a catarata possui a maior das quedas e chega a formar paredão de água e piscinas com muito volume.

Foto de cão que pensa ser gato ganha prêmio.

Hector é a estrela de imagem escolhida no The Comedy Pet Photo Awards

Agressores racistas de Vini Jr. são condenados.

Jogador do Real Madrid comemorou a decisão histórica

Brasileira ganha Copa do Mundo de patins.

A sorocabana Ana Júlia da Silva, a Julika, é a primeira mulher a realizar a manobra 900º

Ursos polares podem desaparecer no Canadá.

Estudo aponta que o período sem gelo deve aumentar e prejudicar a vida desses animais

Celebração da música será dia 21 de junho.

Pela primeira vez, o Make Music Day vai acontecer nas escolas da rede de São Paulo

Nas ondas com Tati Weston-Webb.

Brasileira, que surfou pela primeira vez aos 8 anos, é inspiração

Pepê representa o Brasil na canoagem cross.

Nova modalidade de canoagem estreia nos Jogos de Paris em 2024

Rebeca Andrade vai com tudo para Paris.

Confira entrevista exclusiva com a ginasta brasileira que é um dos trunfos do Brasil na França

Por que falamos “idade da pedra” (para nos referir a coisas antigas)?.

Para responder é preciso voltar à época quando os humanos lascavam pedaços afiados de pedra a partir de blocos maiores de rocha

Última Edição

Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência em nosso site. Para concordar, clique em "Entendi". Saiba mais...