Qualé da sua Escola

Projeto com a personagem Jovenilda reflete sobre os dilemas da adolescência

Alunos da Emef Joaquim Osório Duque Estrada ganharam seis prêmios com a HQ

Por: Katia Calsavara

28/03/2023 13:28 atualizado há 23 segundos

Imagem Projeto com a personagem Jovenilda reflete sobre os dilemas da adolescência
Créditos da imagem: Divulgação

Idealizado pelo professor Marcos Moreira, o projeto de histórias em quadrinhos Turma da Jovenilda está ajudando estudantes a refletir sobre as transformações e dilemas da adolescência*. Em 2020, durante a pandemia, Marcos e seus alunos da Emef Joaquim Osório Duque Estrada, na zona leste de São Paulo, intensificaram a troca de ideias e desenhos online. Foi então que souberam do concurso Adole-sendo em Pandemia, promovido pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e ganharam seis prêmios.

“Nós conversávamos sobre o que eles estavam passando durante o período de isolamento social, e essas experiências geraram roteiros para as HQs”, explica o professor. Assim surgiu a Jovenilda, uma aluna negra, moradora da periferia e estudante do nono ano. A primeira história desenvolvida pelo grupo foi “Jovenilda Confinada” e, após ganharem o concurso, foram chamados pela Unifesp para uma parceria. A ideia dos cientistas da instituição é que as HQs ajudem a debater preconceitos que envolvem a adolescência, como transformações corporais e cerebrais que deixam essa fase da vida mais atribulada.

Orgulhoso, o professor Marcos, que também é quadrinista, conta que a quarta edição já está em produção. “Com o retorno do projeto de quadrinhos na escola, uma nova geração de alunos vai emprestar seu traço para representar a Jovenilda em novas aventuras”, diz. Ele lembra que os temas abordados nas histórias ajudam não só os adolescentes a entender melhor essas transformações como também os adultos.

Na segunda edição, chamada “Josenilda Confinada”, foram abordados temas como falta de sono à noite, baixa autoestima, bullying na internet, variações de humor, entre outros. “As histórias auxiliam no combate ao preconceito contra essas atitudes típicas da adolescência, explicando por meio da ciência que muitos desses efeitos são causados por mudanças que com o tempo deixam de ser um problema”, afirma Marcos.

A aluna Alex Braz, hoje com 18 anos, participou da primeira revista em 2020. “A personagem representa a nossa sociedade. Ela é uma mulher preta, periférica, estudante de escola pública lidando com problemas internos que quase todo adolescente tem. São assuntos que precisam ser comentados e levados a sério”, finaliza.

Por que fechamos os olhos quando espirramos?.

É um mecanismo de proteção do corpo para os respingos de saliva.

Brasileira ganha Copa do Mundo de patins.

A sorocabana Ana Júlia da Silva, a Julika, é a primeira mulher a realizar a manobra 900º

Descoberto buraco azul mais profundo do mundo.

Taam-Ja’, no México, tem mais de 420 metros de profundidade

Cai número de analfabetos no Brasil.

No entanto, segundos dados do IBGE, país ainda registra 11,4 milhões de pessoas que não sabem ler nem escrever

Jabuticaba está entre as melhores frutas do planeta.

Além do sabor, benefícios para a saúde são levados em consideração

Qualé a desse mundo: especial animais!.

Conheça o tatuzão brasileiro, a formiga que parece um vilão e o cachorro panda.

Rio Grande do Sul precisa de ajuda.

Correntes de solidariedade se espalham pelo Brasil; crianças e jovens também se mobilizam

Pesquisa mostra que telas podem prejudicar desenvolvimento das crianças.

A cada minuto adicional de tempo de tela, elas ouvem menos as palavras dos adultos

Entrevista com o palhaço Trambique: rir é o melhor remédio.

Marcelo Burger atuou em circos, festas e ONG em hospitais

Última Edição

Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência em nosso site. Para concordar, clique em "Entendi". Saiba mais...