Escola

Qualé da sua escola: alunos de São Paulo leem autores negros

Projeto tem catálogo com sugestões dos próprios alunos. Objetivo é valorizar os escritores e romper estereótipos

Por: Marcela Ibelli

08/03/2023 20:06 atualizado há 26 segundos

Imagem Qualé da sua escola: alunos de São Paulo leem autores negros
Créditos da imagem: Marcela Ibelli. Da esq. para a dir.: Brisa, Ana, Maria Eduarda, Julia e Sofia com títulos que abordam temas relacionados ao racismo.

“Você sabe o que é black power? É um penteado que representa as culturas africanas. O livro ‘O Mundo no Black Power de Tayó’ [de Kiusam de Oliveira, editora Petrópolis] fala sobre uma menina que usa o cabelo a seu favor. Todos os dias a garota quer enfeitar seu cabelo e, nele, ela consegue levar o mundo inteiro, seus antepassados e sua cultura.” Este é um trecho da indicação literária realizada coletivamente pelos alunos do 4º ano C da Escola Vera Cruz, na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo.

A ideia do projeto, que busca criar um catálogo de sugestões feito pelos próprios alunos, surgiu depois que o colégio ampliou a biblioteca com livros de autores negros. “Estudá-los é uma forma de valorizá-los, de romper com estereótipos”, explica a professora Renata Vasques.

A turma leu várias histórias, trabalhou com o gênero literário resenha* e aprendeu com elas. “Não conhecia muitos autores negros e adorei. O meu livro favorito é o ‘Da Minha Janela’, de Otávio Júnior (Cia. das Letrinhas)”, conta Ana, 9.

Durante o processo, os estudantes também tiveram a oportunidade de aprender mais sobre as origens da cultura africana, descobrir palavras novas e curiosidades sobre etnias e religiões. “Não podemos ter preconceito com coisas que não conhecemos, por isso estudar é tão importante”, acredita Felipe, 10.

Em “Histórias da Preta” (Cia. das Letrinhas), a autora Heloisa Pires Lima fala sobre a África e a população negra no Brasil. É o livro preferido de João, 9. “É interessante porque conta sobre o povo.” Davi, da mesma idade, curtiu saber mais sobre ancestralidade** e racismo: “A ancestralidade também fala sobre liberdade.”

Para Julia, 9, não faz sentido que ainda aconteçam episódios de preconceito. A amiga dela, Maria Eduarda, também de 9, concorda. “A cor da pele não importa em nada. Aliás, é bom que existam diferenças. Seria muito chato se fôssemos todos iguais”, reflete a menina.


*Resenha é um gênero literário no qual quem escreve expressa a sua opinião. Pode ser sobre livros, filmes, músicas, peças de teatro e outras obras artísticas.

** Ancestralidade é tudo o que se relaciona com a nossa ascendência, ou seja, com as gerações anteriores. É a influência da nossa família sobre quem somos.


Da esq. para a dir.: Felipe, Arthur, Davi, João e Eduardo também indicam seus títulos de autores negros


DICAS DOS LEITORES:

Brisa indica: “Da Minha Janela” (Otávio Junior, Cia. das Letrinhas)

Ana indica: “Rosa – Rosa Parks” (Coleção Black Power - Mostarda Editora)

Maria Eduarda indica: “Com Qual Penteado Eu Vou?” (Kiusam de Oliveira, Editora Melhoramentos)

Júlia indica: “E Foi Assim Que Eu e a Escuridão Ficamos Amigas” (Emicida, Cia. Das Letrinhas)

Sofia indica: “A Bicicleta Que Tinha Bigodes” (Ondjaki, Pallas Editora)

Felipe indica: “Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis” (Jarid Arraes, Editora Seguinte)

Arthur indica: “Kuami” (Cidinha da Silva, Editora Jandaíra)

Davi indica: “Quando a Escrava Esperança Garcia Escreveu uma Carta” (Sonia Rosa, Pallas Editora)

João indica: “Jovens, Talentosos e Negros” (Jamia Wilson, VR Editora)

Eduardo indica: “Obama -Barack Obama” (Coleção Black Power – Mostarda Editora)



Foto de cão que pensa ser gato ganha prêmio.

Hector é a estrela de imagem escolhida no The Comedy Pet Photo Awards

Agressores racistas de Vini Jr. são condenados.

Jogador do Real Madrid comemorou a decisão histórica

Brasileira ganha Copa do Mundo de patins.

A sorocabana Ana Júlia da Silva, a Julika, é a primeira mulher a realizar a manobra 900º

Ursos polares podem desaparecer no Canadá.

Estudo aponta que o período sem gelo deve aumentar e prejudicar a vida desses animais

Celebração da música será dia 21 de junho.

Pela primeira vez, o Make Music Day vai acontecer nas escolas da rede de São Paulo

Nas ondas com Tati Weston-Webb.

Brasileira, que surfou pela primeira vez aos 8 anos, é inspiração

Pepê representa o Brasil na canoagem cross.

Nova modalidade de canoagem estreia nos Jogos de Paris em 2024

Rebeca Andrade vai com tudo para Paris.

Confira entrevista exclusiva com a ginasta brasileira que é um dos trunfos do Brasil na França

Por que falamos “idade da pedra” (para nos referir a coisas antigas)?.

Para responder é preciso voltar à época quando os humanos lascavam pedaços afiados de pedra a partir de blocos maiores de rocha

Última Edição

Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência em nosso site. Para concordar, clique em "Entendi". Saiba mais...