Escola

Escutar o que as crianças têm a dizer é o primeiro passo para falar de acontecimentos trágicos

É essencial falar a verdade, no entanto as informações podem ser adaptadas à maturidade de cada criança

Por: Cláudia Gabionetta

23/05/2024 12:08 atualizado há 3 semanas

Imagem Escutar o que as crianças têm a dizer é o primeiro passo para falar de acontecimentos trágicos
Créditos da imagem: iStock

As notícias trágicas fazem parte do universo jornalístico. Muitas delas podem nos impactar, causando indignação, desconforto e tristeza. Imaginem então o efeito que isso pode causar nas crianças que não conseguem ficar protegidas dos fatos que nos rodeiam?


Eventos como a catástrofe climática que atinge o Rio Grande do Sul com as fortes chuvas e enchentes, são exemplos de notícias que chegam, inevitavelmente, ao conhecimento das crianças. Por isso, pais e professores devem estar atentos para mediar esse impacto causado pela informação de eventos tristes e oferecer à criança um ambiente seguro e acolhedor para conversar sobre o assunto.


Antes de qualquer coisa, é necessário escutar atentamente o que a criança tem a dizer, quais são suas dúvidas ou inquietações e, a partir daí, ajudá-la a compreender a situação. É essencial falar a verdade, no entanto as informações podem ser adaptadas à maturidade de cada criança com linguagem adequada, evitando detalhes que possam ser perturbadores ou difíceis de entender. Limite a exposição das mídias direcionada para adultos. Se quiser ler um material jornalístico sobre o assunto, busque aqueles que são elaborados especialmente para o público infanto-juvenil.


Esses veículos transmitem o acontecimento de forma cuidadosa tanto na elaboração dos textos, como na escolha das imagens. Além disso, procure focar em notícias cuja as ações sejam de resolução ou solidariedade que estão sendo praticadas. Isso ajuda a criança a perceber que, apesar das dificuldades, algo está sendo feito em favor das pessoas.


É igualmente importante, mostrar às crianças que elas também podem realizar ações que vão contribuir para o bem-estar das pessoas atingidas. Troca de mensagens de apoio e carinho são um bom exemplo. Inclusive, escrever cartas e fazer desenhos pode ajudar as crianças a lidar com suas emoções, além de sentirem que estão colaborando para amenizar a situação. Estimulá-las a participar de campanhas de arrecadação de roupas ou alimentos pode ser outra forma de atuação.


Aliado a isso, é importante reafirmar para as crianças que existem adultos e autoridades responsáveis trabalhando para manter as pessoas seguras e tentar resolver a situação. Destacar histórias de superação, solidariedade e ajuda mútua, ajudam a equilibrar a discussão e transmitem mensagem de força e esperança. Dessa forma, não alienamos nossas crianças dos problemas, mas caminhamos lado a lado com elas para que se sintam seguras, e desenvolvam habilidade de empatia e compreensão de mundo.


*Claudia Lima Gabionetta é coordenadora pedagógica da revista Qualé, pós-graduada em Gestão de Educação Infantil e especialista em Educação Midiática.  


Artigos

Foto de cão que pensa ser gato ganha prêmio.

Hector é a estrela de imagem escolhida no The Comedy Pet Photo Awards

Agressores racistas de Vini Jr. são condenados.

Jogador do Real Madrid comemorou a decisão histórica

Brasileira ganha Copa do Mundo de patins.

A sorocabana Ana Júlia da Silva, a Julika, é a primeira mulher a realizar a manobra 900º

Ursos polares podem desaparecer no Canadá.

Estudo aponta que o período sem gelo deve aumentar e prejudicar a vida desses animais

Celebração da música será dia 21 de junho.

Pela primeira vez, o Make Music Day vai acontecer nas escolas da rede de São Paulo

Nas ondas com Tati Weston-Webb.

Brasileira, que surfou pela primeira vez aos 8 anos, é inspiração

Pepê representa o Brasil na canoagem cross.

Nova modalidade de canoagem estreia nos Jogos de Paris em 2024

Rebeca Andrade vai com tudo para Paris.

Confira entrevista exclusiva com a ginasta brasileira que é um dos trunfos do Brasil na França

Por que falamos “idade da pedra” (para nos referir a coisas antigas)?.

Para responder é preciso voltar à época quando os humanos lascavam pedaços afiados de pedra a partir de blocos maiores de rocha

Última Edição

Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência em nosso site. Para concordar, clique em "Entendi". Saiba mais...